( 16 Votes )

 

Livros de Freud

 

 

Freud livros: confira uma coletânea dos livros de Freud, com resumo sobre o conteúdo de cada livro.

 

Publicações pré-Psicanalíticas e esboços inéditos

 

Este livro traz os seguintes temas relatórios sobre estudos em Paris e Berlim; Prefácio à tradução das conferências sobre as doenças do sistema nervoso, de Charcot; Observação de um caso grave de Hemianestesia em um homem histérico; Resenha de 'Die Akute Neurasthenie', de Averbeck; Resenha de 'Die Behadlung Gewisser Formen von Neurasthenie und Hysterie', de Weir Mitchell; Histeria; Artigos sobre hipnotismo e sugestão; Prefácio à tradução de 'De la suggestion', de Bernheim; Resenha de 'Hipnotismo', de August Forel; Hipnose; Um caso de cura pelo hipnotismo; Prefácio e notas de rodapé à tradução das 'Conferências das terças-feiras', de Charcot; Esboços para a 'Comunicação preliminar' de 1893; Algumas considerações para um estudo comparativo das paralisias motoras orgânicas e histéricas; Extratos dos documentos dirigidos a Fliess; Projeto para uma psicologia científica; entre outros.

 

Estudos sobre a histeria

 

Contêm vários estudos feitos por Breuer e Freud sobre casos de pessoas consideradas histéricas. Inclusive um dos casos mais famosos, o de Anna O. (nome real Bertha Pappenheim), que apresentou a teçnica da psicanálise como uma forma de cura. Na época do lançamento, esta obra não foi bem recebida pela comunidade médica européia. Anos se passaram até que a psicanálise foi reconhecida como uma ferramenta legítima de psiquiatria, além dos remédios químicos e as técnicas primitivas da época, que incluiam até choques elétricos. O livro apresenta dois pontos de vista diferentes como causa da histeria: neurofisiológico, defendido por Breuer, e psicológico, defendido por Freud. Apesar de Freud ter recebido o crédito (e a responsabilidade) por muita da notoriedade conseguida com a psicanálise, o próprio Freud dava os créditos pelo nascimento da psicanálise a Josef Breuer e seu trabalho com Bertha Pappenheim. Infelizmente, Breuer morreu antes que recebesse a aclamação.

 

Primeiras Publicações Psicanalíticas

 

Este livro traz um prefácio aos escritos breves de Freud de 1893-1906; Charcot (1893); Sobre o mecanismo psíquico dos fenômenos histéricos - uma conferência; As neuropsicoses de defesa; Obsessões e fobias - seu mecanismo psíquico e sua etiologia; Sobre os fundamentos para destacar da neurastenia uma síndrome específica denominada 'Neurose de angústia'; Respostas às críticas ao artigo sobre a neurose de angústia; A hereditariedade e a etiologia das neuroses; Observações adicionais sobre as neuropsicoses de defesa; A etiologia de histeria; Sinopses dos escritos científicos do Dr. Sigm. Freud 1877-1897; A sexualidade na etiologia das neuroses; O mecanismo psíquico do esquecimento; Lembranças encobridoras; entre outros.

 

A interpretação dos sonhos

 

Este livro marca a introdução do conceito do Ego, e descreve a teoria do inconsciente em relação à interpretação dos sonhos. Na visão de Freud, os sonhos eram formas de expressar os desejos e questões do inconsciente, uma tentativa que o inconsciente fazia para resolver algum tipo de dor ou conflito, seja de algo recente ou algo do passado longínquo. Assim, como a informação no inconsciente está num formato sem muitas regras e geralmente meio confuso, um “censor” no pré-consciente não permite que aquelas impressões passem para o consciente sem alteração. Durante os sonhos, o pré-consciente tem sua ação enfraquecida, mas ainda está funcionando: por isso, o inconsciente precisa distorcer e mascarar o sentido de suas informações para passar através da censura. Como tanto, as imagens e sonhos não costumam ser o que aparentam ser, mas são símbolos que precisam ser identificados para que o psicanalista consiga montar um modelo da estrutura do inconsciente daquela pessoa.

 

Sobre a psicopatologia da vida cotidiana

 

Nesta obra Freud discute o que ficou conhecido em inglês como “Freudian slip” ou “parapraxis”, termos que foram traduzidos como “ato falho”. São palavras ou atos físicos que se acredita serem causados pelo inconsciente, mostrando o que a pessoa realmente pensa sobre determinado assunto, e não o que diz de maneira consciente e “censurada” pelo superego. Entre os erros clássicos, estão o da esposa chamando o marido pelo nome de uma outra pessoa na qual estava pensando, e vice-versa. Em outros casos, o erro pode parecer trivial ou bizarro, mas pode dar uma importante fonte de análise.

 

Um Caso de Histeria.Três Ensaios sobre a teoria da sexualidade e outros trabalhos

 

Esta obra avança na teoria da sexualidade, em particular no tocando a sua relação com a infância. Junto com a obra sobre interpretação dos sonhos, esta obra é considerada estar entre as mais originais contribuições de Freud ao conhecimento humano. Freud argumenta que a “perversão” está presente até mesmo em pessoas sadias, e que o caminho em direção a uma vida sexual madura e normal começa não na puberdade, nas na tenra infância. Observando crianças, Freud dizia ter achado um número de práticas que parecem inócuas, mas que em realidade eram formas de atividade sexual como, por exemplo, o costume de chupar o polegar. Com isso, Freud propunha que a sexualidade era a força motriz tanto das neuroses como das perversões. Esta obra também introduziu o conceito de inveja do pênis, ansiedade da castração e do complexo de Édipo.

 

Os chistes e sua relação com o inconsciente

 

Segundo Freud, as piadas ocorrem quando o consciente permite que aflorem os pensamentos ocultados por restrições sociais. O superego permite que o ego gere humor. Um superego benevolente permite um tipo leve e confortável de humor, enquanto que um superego rigoroso apenas permite a criação de um tipo de humor agressivo e sarcástico. Um superego extremamente rigoroso vai acabar suprimindo o humor totalmente. A teoria de humor de Freud se baseia na relação dinâmica entre o id ego e superego. O superego comanda tudo de acordo com a moral, e impede que o ego continua a busca do prazer requisitada pelo id. Além disto, esta obra contribui na teoria do alívio proporcionado pelo riso, onde é proposto que energia emocional é liberada através do senso de humor. Anos depois desta obra, Freud retorna ao assunto notando que nem todo mundo é capaz de ter ou entender o senso de humor.

 

“Gradiva” de Jensen e outros trabalhos



Duas histórias clínicas: O Pequeno Hans e o Homem dos ratos

 

Este livro apresenta a análise de uma fobia em um menino de cinco anos; Notas sobre um caso de neurose obsessiva - Extratos do caso clínico e Considerações teóricas; Alguns escritos de Freud que tratam da ansiedade e das fobias em crianças e da neurose obsessiva.

 

Cinco lições de psicanálise, Leonardo da Vinci e outros trabalhos

 

Este livro traz os seguintes temas: Leonardo da Vinci e uma lembrança de sua infância; As perspectivas futuras da terapêutica psicanalítica; A significação antitética das palavras primitivas; Um tipo especial da escolha de objeto feita pelos homens (Contribuições à psicologia do amor I); Sobre a tendência universal à depreciação na esfera do amor (Contribuições à psicologia do amor II); O tabu da virgindade (Contribuições à psicologia do amor III); A concepção psicanalítica da perturbação psicogênica da visão; Psicanálise 'silvestre'; Breves escritos.

 

O caso Schereber, artigos sobre técnica e outros trabalhos

 

Este livro traz os seguintes temas: Notas psicanalíticas sobre um relato autobiográfico de um caso de paranóia (Dementia Paranoides); Artigos sobre técnica; O manejo da interpretação de sonhos na psicanálise; A dinâmica da transferência; Recomendações aos médicos que exercem a psicanálise; Sobre o início do tratamento (novas recomendações sobre a técnica da psicanálise III); Os sonhos no folclore; Sobre a psicanálise; Formulações sobre os dois princípios do funcionamento mental; Tipos de desencadeamento da neurose; contribuições a um debate sobre a masturbação; Uma nota sobre o inconsciente na psicanálise; um sonho probatório; A ocorrência, em sonho, de material oriundo de contos de fadas; O tema dos três escrínios; Duas mentiras contadas por crianças; A disposição à neurose obsessiva - Uma contribuição ao problema da escolha da neurose; Introdução a 'The Psycho-Analytic Method', de Pfister; Prefácio a 'Scatalogic rites of all nations', de Bourke; Breves escritos.

 

Totem e tabu e outros trabalhos

 

Coleção contendo quatro estudos publicados primeiramente no jornal Imago (1912-1913). Aplica conceitos psicanáliticos para fazer estudos comparativos nos campos da arqueologia, antropologia e religião. Os quatro estudos são intitulados “O horror do incesto”, “Tabu e a Ambivalência emocional”, “Animismo, Mágica e a Onipotência dos Pensamentos, e “O retorno do totemismo na infância”.

 

A história do movimento psicanalítico, artigos sobre metapsicologia e outros trabalhos



Conferências introdutórias sobre psicanálise


História de uma neurose infantil e outros trabalhos

 

Este livro traz os seguintes temas: História de uma neurose infantil; As transformações do instinto exemplificadas no erotismo anal; Uma dificuldade no caminho da psicanálise; Uma recordação de infância de 'Dichtung und Wahrheit; Linhas de progresso na terapia psicanalítica; Sobre o ensino da psicanálise nas universidades; 'Uma criança é espancada' - Uma contribuição ao estudo da origem das perversões sexuais; Introdução a 'A psicanálise e as neuroses de guerra'; O 'Estranho'; Prefácio a 'Ritual - Estudos psicanalíticos', de Reik; Breves escritos.

 

Além do princípio do prazer, psicologia de grupo e outros trabalhos

 

Obra importante, que marca o início da dita “segunda tópica” de Freud, pela mudança no enfoque teórico. Antes deste ensaio, Freud havia colocado o instinto sexual (“Eros”) como a força central que nos leva a agir. Em 1920, indo “além” do simples princípio do prazer, Freud desenvolveu a teoria das pulsões, adicionando o instinto de morte, geralmente referido domo “Tanatos”, mesmo Freud nunca tendo usado este termo. A grande importância deste estudo reside na visão do ser humano em constante luta entre dois instintos opostos: Eros trabalhando pela criatividade, harmonia, conexão sexual, reprodução e auto-preservação, enquanto que Tanatos luta pela destruição, repetição, agressão, compulsão e auto-destruição. Nas seções IV e V Freud sugere que o mesmo processo que causa a morte de uma célula quando olhada ao nível microscópico poderia também acontecer nos seres humanos, por um instinto mortal que causa sua morte. Esta teoria foi desacreditada em grande parte. Freud também aproveitou a oportunidade para explicar como via as diferenças entre o enfoque seu e o de Carl Jung.

 

O ego e o ID e outros trabalhos

 

Outra obra importante, fruto de um estudo meticuoloso conduzido ao longo de anos de pesquisa, onde Freud faz a análise da psique humana, definindo a teorias da dinâmica entre o id ego e superego, teoria esta que foi fundamental no desenvolvimento da teoria psicanalítica.
Um estudo autobiográfico, Inibições, sintomas e ansiedade, A questão da análise leiga.

 

O Futuro de uma Ilusão

 

Descreve sua interpretação da origem das religiões, seu desenvolvimento, sua psicanálise e seu futuro. Freud descreve a religião como uma ilusão, desejos que são a realização dos mais antigos, fortes e urgentes desejos da humanidade. Ele explica que a ilusão não necessariamente é falsa, dando o exemplo de um garota de classe média que sonha em casar-se com um príncipe. Apesar de ser muito pouco provável, não chega a ser impossível e realmente aconteceu algumas vezes. O fato da crença estar fundada nos desejos e não na realidade é que o faz chamá-la de ilusão.

 

O mal-estar na civilização e outros trabalhos

 

Um dos trabalhos mais importantes e mais lidos de Freud. Nesta obra seminal, Freud enumera as tensões fundamentais entre a civilização e os indivíduos. O primeiro ponto de atrito resulta das necessidades instituais inerentes ao ser humano, constantemente reprimidas pelas necessidades da civilização como, por exemplo, o desejo de matar seu semelhante e a constante busca pelo prazer sexual são claramente danosas ao bem-estar de uma comunidade humana. Como resultado desta fricção, a civilização cria leis que proibem a matança, estupro e adultério, e implanta punições severas quando estes mandamentos são quebrados. Este processo, argumenta, é uma característica inerente da civilização e resulta num permanente sentimento de descontentamento entre seus cidadãos, independentemente de qual cultura esteja sendo analisada.

 

Novas conferências introdutórias sobre psicanálise e outros trabalhos

 

Este livro traz os seguintes temas: Novas conferências introdutórias sobre psicanálise - Revisão ta teoria dos sonhos, Sonhos e ocultismo, A dissecção da personalidade psíquica, Ansiedade e vida instintual, Feminilidade, Explicações, aplicações e orientações, A questão de Weltanshauung; A aquisição e o controle do fogo; Por que a guerra?; Contato com Josef Popper - Lynkeus; Sándor Ferenczi; As sutilezas de um ato falho; Um distúrbio de memória na Acrópole; Breves escritos; entre outros.

 

Moisés e o monoteísmo, Esboço de psicanálise

 

Nesta obra, Freud cria a hipótese de que o Moisés biblico era na verdade nascido na nobreza do antigo Egito, e talvez fosse um seguido de Akenaton, um antigo Deus egípcio monoteísta. O livro tem três partes e um anexo, onde a teoria psicanalítica de Freud é usada para criar hipóteses para explicar eventos históricos, tal como fora feito anteriormente na obra Totem e Tabu. Freud contradiz a história bíblica de Moisés apresentando sua própria versão dos eventos, afirmando que Moisés apenas liderou seus seguidores até a liberdade, que subsequentemente se rebelaram e mataram Moisés. Anos depois disto, os rebeldes formaram uma nova religião que promovia Moisés como o salvador dos Israelitas. Freud diz que o sentimento de culpa pelo assassinato de Moisés foi herdado geração após geração, e que esta culpa é que leva os judeus à religião, para fazê-los sentir-se melhor.




Artigos Relacionados