Os Estudos da Gestalt sobre a Aprendizagem

( 9 Votes )

O Insight e a Mentalidade dos Macacos

 

   Foi na longa visita de Köhler ao Tenerife (1913-1920), que ele investigou a inteligência dos chipanzés demostrada por meio das habilidades na solução de problemas. Essas experiências foram realizadas tanto dentro como em volta das jaulas dos animais e envolveram apetrechos muitos simples como as barras das jaulas dos animais (usadas para bloquear o acesso), bananas, varas para puxar as frutas para dentro das jaulas e caixas que serviam de apoio para os animais tentarem alcançar as frutas penduradas no teto. Com base na visão de percepção da Gestalt, Köhler, interpretou os resultados da pesquisa animal analisando toda a situação e as relações entre os estímulos. Acreditava que a resolução de problemas estava relacionada com a reestruturação do campo perceptual.


   Em um dos estudos, colocou-se  uma banana do lado de fora, com um barbante amarrado chegando até a jaula. O macaco agarrou o barbante e puxou a banana para dentro, quase sem titubear. Köhler concluiu que, nessa situação, o animal percebera facilmente todo o problema. No entanto, se vários fios saíssem da jaula em direção à banana, o macaco não saberia imediatamente qual deles puxar para obter a fruta. Assim, Köhler observou que, nessa situação, o animal não conseguia visualizar claramente todo o problema.
 

   Em outro estudo, colocou-se um epdaço da fruta do lado de fora, pouco além do alcançe do animal. Quando se colocou uma vara perto das grades, em frente à fruta, os dois objetos foram percebidos como parte da mesma situação, e o animal rapidamente usou a vara para puxar a fruta. Mas, se a vara era colocada no fundo da jaula, então os dois objetos (a vara e a banana) não eram prontamente vistos como parte do mesmo problema. Nesse caso, era preciso reestruturar o campo perceptual para o chimpanzé resolver a questão.
 

   Outra experiência constituiu na colocação de uma banana fora da jaula e além do alcançe do animal e, do lado de dentro, duas varas ocas de bambu que não eram de tamanho suficiente para puxar a fruta. Para isso, o animal tinha de juntar as duas (inserindo a ponta de uma dentro da extremidade da outra) para criar outa do tamanho que precisava. Assim, para solucionar o problema, o animal tinha de perceber uma nova relação entre as duas varas.
 




Artigos Relacionados